1 de dezembro de 2022

Foto João Saidler

Depois de viver Clara Nunes nos palcos, Clara Santhana joga luz sobre as Marias que contribuíram para o fortalecimento da mulher na sociedade e na identidade cultural brasileiras. O musical “Outras Marias” estreia nesta quarta-feira, 2, no Sesc Tijuca. Maria é, segundo a mitologia semita, a mulher escolhida por Deus para gerar e criar seu filho, Jesus. Maria é, certamente por isso, um nome popular no mundo e, em especial, no Brasil. Muitas são as Marias que lutaram (e lutam) por fazer valer seus direitos neste país tão desigual. A atriz e cantora Clara Santhana olha para essas mulheres em seu novo espetáculo. Conhecida por personificar Clara Nunes no musical “Deixa Clarear”, que, ao longo de 9 anos, foi visto por mais de 500 mil espectadores, ela evoca agora sete mulheres. São elas figuras históricas como Maria Bonita e Maria Felipa de Oliveira (que lutou na Conjuração Baiana, em 1798) e Marias que tornaram-se divindades em cultos de origem brasileira e matriz africana, como as Marias Molambo, Navalha, Quitéria e a mais conhecida delas, Maria Padilha – amante de um monarca no antigo reino de Castela. Elas têm suas vidas e lutas contadas e cantadas no musical. Patricia Selonk, uma das mais respeitadas atrizes da sua geração, faz com a montagem sua estreia como diretora. A dramaturgia é assinada por Marcia Zanelatto, com quem Clara volta a trabalhar, e a direção musical é de Claudia Elizeu. O projeto foi contemplado pelo edital Sesc RJ de Cultura 2022.

Redes Socias

Deixe um comentário